Análise Pós-Jogo: Nem “Barbada azul”, nem “Zebra em preto e branco”!

10 de mar de 2008

Caros amigos...
Ainda bem que não apareceu nenhum corajoso leitor querendo nos emprestar os reais que mencionamos na análise pré-jogo! Assim, o Clube do Futebol ficou livre de uma possível dívida! Ontem, salvo o espetáculo das torcidas, o clássico mineiro deixou à desejar.

Porém, no futebol – ao contrário do que prega o amadorismo dos “profissionais futeboleiros” do nosso país – tudo pode ser explicado através de um bom scout e uma boa análise tática. Então, vamos às análises que explicam o porque do 0x0 tão decepcionante:

As escalações e formações táticas efetivas das equipes:

Atlético-MG

Cruzeiro




Surpreendentemente, o Atlético-MG começou a partida muito bem posicionado em campo e dominando às ações do jogo. Sem a posse de bola Xaves (5) aproximava-se da zaga como um terceiro zagueiro. Quando a equipe recuperava a bola tornava-se volante e empurrava M. Araújo (8) para a meia direita. O resultado disso foi uma defesa compacta e um ataque mais eficiente. A escalação de Thiago Feltri na ala esquerda no lugar de Agustin Viana tornou este setor muito mais efetivo e ofensivo, dividindo melhor as ações da equipe. O meia Sidnei também entrou muito bem, atuando pela meia esquerda enquanto Márcio Araújo, mesmo atuando como volante pela direita, também ajudava muito na armação de jogadas.
Já o Cruzeiro entrou com a equipe bastante recuada e com o meio campo desorganizado na parte ofensiva. Uma equipe que não mostrava o mesmo trabalho realizado nas partidas anteriores. Além disso, duas lesões obrigaram o técnico a colocar Marcinho e Sandro no lugar de Guilherme e Chareles ainda na primeira etapa. O péssimo início da equipe cruzeirense pode ser mensurado a partir da grande diferença no número de passes certos das equipes nos primeiros 25 minutos, como mostra o gráfico abaixo:

Passes certos por Minuto: CAM x CRU



Jadílson (6) estava tentando apoiar o ataque mas não tinha muitas opções de passes. Todo o setor estava recuado devido ao ataque intenso do Atlético por este lado, como mostra a figura abaixo. Portanto, o Cruzeiro acabou usando mais o lado direito do campo para sair com a bola.

Distribuição da Posse de Bola – Primeiro Tempo
Atlético-MG x Cruzeiro


No Segundo tempo o Cruzeiro acertou seu meio campo e equilibrou mais a partida. Surgiram mais opções de passes e a equipe ficava menos recuada. O reflexo disto foi um maior número de ataques pelo lado esquerdo e algumas chances de gol. Pelo meio, Marcinho (17) foi o responsável por fazer a ligação defesa/ataque nos contra-ataques, ao lado de Wágner (10). A atitude um pouco mais ofensiva fez com que o Atlético perdesse parte de sua ofensividade por este setor.

O Atlético ainda era superior na partida e passou a aproveitar o espaço deixado no lado direito pela defesa cruzeirense, principalmente depois que Sandro (13) lançou-se ao ataque e a marcação do meio campo defensivo ficou sob responsabilidade apenas de Marquinhos Paraná (5).

Distribuição da Posse de Bola – Segundo Tempo
Atlético-MG x Cruzeiro


As poucas oportunidades criadas pelas equipes não foram aproveitadas pelos atacantes. Pouquíssimos chutes acertaram o alvo e, obviamente, nenhum balançou as redes, como mostra a figura abaixo:

Finalizações das Equipes

Atético-MG

Cruzeiro


Tudo indica que o Cruzeiro preferiu arriscar pouco, mesmo que isso não fosse trazer a vitória. O Atlético foi quem mais saiu para o jogo mas também não foi eficiente. Será que faltou coragem ao Cruzeiro para sair para o jogo e buscar os 3 pontos? Bom... Clássico é clássico! Mas se a vitória fosse decidida como no BOXE, o Atlético seria o vitorioso por decisão unânime dos árbitros!

Para baixar o Relatório de Scout Completo clique no link abaixo:

Atético-MG 0x0 Cruzeiro

Dados Fornecidos pela ScoutOnline

1 comentários:

--=Gabriel=- disse...

Tudo pra um bom jogo... Mas os times são tão medrosos que até assustam a torcida... Se vcs fossem os técnicos o jogo ia ser mais empolgante!